Cirurgia do Intestino Grosso

Colectomia

A colectomia é a retirada do intestino grosso. Chama-se colectomia parcial quando parte é ressecada e é chamada total quando todo o intestino grosso é retirado, porém, o reto é preservado. Acrescenta-se um prefixo procto, passando a chamar-se proctocolectomia quando o reto também é retirado. Retira-se o intestino grosso em doenças que não respondem ao tratamento clínico ou onde este não seja indicado como nos tumores benignos e malignos, inflamações severas ou traumatismos.

Colostomia

É a abertura artificial de uma saída de fezes pelo intestino grosso, direto na pele do paciente. Também é chamado "anus contra natura" e exige o uso de bolsas coletoras chamadas bolsas de colostomia. São bolsas de borracha ou de plástico, podem ser permanentes ou descartáveis e exigem treinamento especial para seu manuseio. O próprio paciente pode cuidar da sua colostomia e da sua bolsa, na grande maioria das vezes.

Colotomia

Este nome, muito parecido com o anterior, significa abertura do intestino grosso para qualquer finalidade cirúrgica, porém, que é em seguida fechado e não é colocado como saída de fezes na pele.

Colorrafia

É fechamento (sutura) de uma colotomia

Decolostomia

É o fechamento de uma colostomia. É restaurado o trânsito normal do intestino grosso.

Apendicectomia

É a retirada do apêndice vermiforme. O apêndice pode ser sede de apendicite. Ele é um pequeno segmento de intestino pendurado no inicio do cólon (ceco).

Polipectomia

É a retirada de pólipos deste segmento do tubo digestivo Normalmente é feita por endoscopia, mas, em situações especiais é feita no ato cirúrgico

Biópsia

É a retirada de um fragmento deste local do aparelho digestivo com a finalidade de ser examinado no laboratório e permitir que se faça o diagnóstico da doença em questão

No reto e anus:

Hemorroidectomia

É a denominação da retirada de hemorróidas

Fissurectomia

É a operação que retira a fissura anal

Esfincterotomia

É a secção do esfíncter anal, que é utilizada como tratamento complementar da fissurectomia ou quando há excessivo espasmo da musculatura anal levando a dores após hemorroidectomias, entre outras indicações

Fistulectomia perianal

É a retirada de fístula perianal, que é uma comunicação anormal entre o reto e a pele anal, sobra muitas vezes de drenagem de abscesso perianal

Esfincteroplastia

É a operação que corrige o esfíncter anal danificado por traumatismo acidental ou cirúrgico

Protectomia

É a retirada do reto. É uma operação que se associa a colectomia ou quando isolada é um complemento da colectomia total quando o reto não foi retirado no mesmo tempo operatório

Polipectomia

É a retirada de pólipos deste segmento do tubo digestivo Normalmente é feita por endoscopia, mas, em situações especiais é feita no ato cirúrgico

Biópsia

É a retirada de um fragmento deste local do aparelho digestivo com a finalidade de ser examinado no laboratório e permitir que se faça o diagnóstico da doença em questão